too late to fix, part 3

Era uma vez uma menina. Uma menina que pensava que a tua ausência tinha uma razão válida, pensava que um dia, tu irias fazer parte da sua vida sem intermitências. Então, ela brincava com os seus caracoís e com as suas bonecas durante o dia e, à noite, deitava-se na sua cama e sonhava. Sonhava acordada. Sonhava contigo, com a tua presença diária e isso então aquecia-lhe o coração inocente e ingénuo. Fez isso dia após dia, ano após ano. Ao longo desses anos, ela manteve essa mesma rotina incansável, pois acreditava completamente que o dia chegaria, no qual tu irias bater-lhe à porta e irias envolvê-la nesses teus braços que ela sempre desconheceu. Mas num dia em que o sol brilhava com todas as suas forças e o trautear dos passarinhos se tinha tornada na melodia do dia, tu tornaste esse seu sonho em pesadelo. Nesse mesmo dia, ela ouviu dentro de si o seu coração a estilhaçar e a sua alma a desbotar. Ela pensou que não o tinhas feito de propósito, pensou que se calhar, tu tinhas contigo a fita-cola e a paleta de cores que iriam ser precisas. Mas não. Tu deste-lhe tudo o que sempre tinhas dado: o enorme vazio que ela, secretamente, sempre sentiu. Foi a ultima vez que ela te viu. E sabes o que aconteceu a essa menina? Ela cresceu. Ao longo do tempo, ela lá arranjou maneira de remendar o seu coração agora fracturado e tudo menos ingénuo, algumas cores para dar outra vez alguma cor à sua alma e nunca mais sonhou contigo. Enfiou as suas bonecas numa caixa de madeira e guardou-as no sótão. Brincar com os seus caracoís também nunca mais foi a mesma coisa. E pronto, era uma vez uma menina que sabia. sabia tudo, sabia demais. Mas não percebia como era possível a sua maior esperança ter-se tornado na maior insignifcancia.

5 comments:

  1. gosto do texto, mas didn't get it :S

    ReplyDelete
  2. ya, com a ajuda do tradutor do google - muita ajuda xD
    ah :x

    ReplyDelete
  3. não faço assim tantos erros no inglês caralho!
    e para que conste não tenho inglês na escola há mais de 3 anos! .|.

    ReplyDelete
  4. Pensamos sempre de maneira diferente do real.

    As saudades que eu tenho da Figueira :$

    ReplyDelete